fbpx
Carregando...
curiosidade

Thor Ragnarok – HQs e filme

Alguns anos depois do filme Thor Ragnarok, decidi reler as HQs referentes ao Ragnarok. Desde as da década de 70 quanto a que saiu nos anos 2000. O intuito, era fazer uma comparação com o filme, e devo dizer, foi um sufoco ir além dos 15 minutos do filme.

Vamos aos principais pontos que aparecem em defesa do filme.

– O filme é colorido em homenagem as HQs de Jack Kirby.

Primeiramente, não seria melhor homenagear com um bom roteiro? Pois não foi bem o caso. Temos que entender, que as HQs nos anos 70, tinham limitações gráficas. O que gerava dificuldades na impressão. Por exemplo, o Batman era azul porque se fosse cinza com preto, ficaria todo preto sem distinção das partes do uniforme. As cores tinham que ser mais chapadas, não é incomum quadros onde o cenário é tudo de uma única cor, para distinguir os demais itens. Além de pouca utilização de degrades, no geral as cores são chapadas.

Com o avanço das gráficas e suas impressões, puderam expandir esse ponto. Claro que também mantiveram o aspecto mais conservador e nostálgico do excesso de cores em algumas histórias como as HQs mais antigas, mas também começaram a ter artes com menor saturação e mais sombrias, como a HQ do Capitão onde o Soldado Invernal aparece e a Ragnarok dos anos 2000.

– O filme se vendeu como um filme de comédia.

E das ruins. Primeiro que se utiliza de um humor pastel. Que é um humor bobo e difícil de se usar bem. Não obstante, as piadas são idiotas e tirando isso, só temos cenas de ação que nem são isso tudo. Ai é melhor ver as lutas no youtube mesmo. Fora que ainda assim, tem que saber dosar as piadas com os momentos sérios.

Por exemplo, pega a série “Um maluco no pedaço”, uma série de comédia. Mas ainda assim, cenas como a do Will dando sermão no Calrton que estava andando com arma após o assalto que levou o Will para o hospital ou mesmo a famosa cena do Will desabafando sobre o pai ausente que levou o elenco aos prantos. Cenas de drama em uma série de comédia que engrandece a série em si e os personagens. Além do próprio contexto. E isso que na cena do sermão do Will, temos ele fazendo piada com o Calrton derrubando tudo. O que poderia ser uma piada em um momento inadequado, mas o próprio Carlton nos lembra da importância deste momento.

Ainda existe a piada do amigo do Will no tribunal, que não quer abaixar as mãos com medo de represálias da polícia. Piada ácida e satírica, que escancara na nossa cara um problema social. Algo que a série faz muito bem ao longo de vários episódios. A gente os vê em situações que parecem hilárias, bem zoadas, mas que ainda assim, ao final, percebemos a gravidade daqueles momentos e problemas. Diferente do Deus do Trovão levando choque, que é uma piada idiota e sem graça. E ainda por cima, vemos que Asgard está pra ser destruída, após a morte de Odin e está todo mundo se lixando pra isso. Nem Thor se importa com a morte de seu pai. A MORTE DE SEU PAI, não um personagem coadjuvante qualquer que ele mal conhecia. Thor sentiu mais a morte do Agente Coulson que a de seu próprio pai.

 Thor ragnarok

Outro exemplo –

Ainda temos a série Chavez. Uma série que também é de comédia pastelona. Mas que ainda assim, nos faz chorar ou pelo menos sentir a dor do Chavez quando todos foram para Acapulco menos ele. Ou quando todos os chamaram de ladrão.

E assim, Asgard está pra ser destruída, e ninguém liga pra isso. Principalmente o telespectador. Não tem peso nos acontecimentos.

E para piorar, podemos pegar Jojo Rabbit. Um filme de comédia sobre o holocausto judeu, e que é do mesmo diretor. Um filme que tinha tudo pra dar errado e deu super certo. Respeitando o problema do holocausto, afinal, corre o risco de parecer ter sido um probleminha bobo qualquer (o que se fosse um filme UCM, com certeza seria retratado assim). E ainda sentimos a morte de uma personagem chave na história.

Spoiler – De fazer o coração doer com o garoto tentando amarrar os sapatos do corpo de sua mãe pendurada morta enquanto ele chora e não consegue amarrar os cadaços – fim do spoiler

 Thor no ragnarok Thor em ragnarok

– É uma adaptação, quer igual aos quadrinhos, vai ler um quadrinho.

Pois é, Thor Ragnarok é uma adaptação. Ou seja, TEM BASE EM UM MATERIAL. Não tem que ser diferente, mas respeitar a essência. Coisa que o filme simplesmente caga encima. Já falamos sobre adaptações em outro texto. Mas resumindo, se é pra fazer algo nada haver com o material fonte, então inventa outra história com outros personagens. Caso contrário, é fazer os fãs de trouxa para poder tirar dinheiro deles. É aceitar coisas tipo Dragon Ball Evolution. Se os filmes do Resident Evil, não tivesse esse nome e nem os personagens da franquia, aparecendo como cosplays. Fosse algo estilo “Alice no mundo dos zumbis”. Ninguém ia reclamar. Porque não seria algo tentando fingir ser algo que obviamente não é. Assim como Thor Ragnarok

Agora, uma comparação com os eventos dos quadrinhos.

As próprias HQs se diferenciam do real Ragnarok. Se é que se pode dizer isso, já que as lendas nórdicas, não tinham registros como as gregas. Mas nas HQs, em um dado momento, eles fazem de tudo para evitar o Ragnarok, tem inclusive um cameraman virando um Thor e que ele mesmo brinca com o fato de seu visual ser mais parecido com o Thor mitológico do que o Thor da Marvel. E no outro momento, Odin já estava morto muito antes do Ragnarok, e não teve nenhum Fenrir envolvido na morte de Odin.

 Thor ragnarok

Ainda assim, mostra que é um evento em que os deuses temem. Procura evitar a todo custo e que em ambas as HQs, passam uma sensação de está chegando ao fim. Tudo pode cair e desabar. Na da década de 70, ainda acaba tendo um final feliz. Embora temos a morte de um personagem, que conhecemos ali, naquela sequência de historias. E que deu para sentir esta perda mais do que a morte de Odin no filme. Já na dos anos 2000, a sensação de fim é muito maior. Realmente nos parece que tudo está caindo e acabando. Se não fosse o fato de que a esta altura, já estamos acostumados com a morte e ressurreição dos personagens, poderíamos pensar que seria o fim de Thor e suas aventuras.

As HQs passam a ideia de que é um evento grandioso e com consequências gigantes.

A coisa é séria. Já o filme, parece um evento corriqueiro de terça feira sem consequência. Ai entra outro ponto. O filme está em um universo compartilhado, os eventos neste filme, refletem nos próximos. E esse foi outro erro. Porque no início de Guerra Infinita, Asgard já começa destruída e nós estamos cagando e andando pra isso. Os filmes do personagem nem sequer se preocuparam em estabelecer empatia com a morada dos deuses para com o telespectador. Só sentimos a morte de Heimdall, porque na verdade, sentimos é a morte de Idris Elba. Coloca qualquer outro ator menos pop no lugar e vamos cagar e andar pra isso. Como por exemplo, os 3 amigos de Thor que são o braço direito deles nos quadrinhos Fandral, Volstagg e Hogun. Mas nos filmes, são figurantes inúteis.

E Surtur, que nos quadrinhos, e um vilão de impor respeito. Quando aparece, significa que “fudeu de vez!”. Chega ao ponto de Odin morto ter que enfrenta-lo todo dia, onde os 2 voltam todos quebrados ao final do dia, para se recuperarem e no dia seguinte, começar tudo de novo. E isso para impedir que Surtur saia daquele lugar. Então Odin se sacrifica para segura-lo. Já no filme, Thor faz ele de palhaço nos 5 primeiros minutos de filme. Enquanto a Hella se resume a uma louca varrida onde a Marvel desperdiça mais um(a) ator/atriz com vilões jogados fora.

Ao final, o filme Thor Ragnarok não foi um Planeta Hulk. Porque simplesmente meteram o Hulk neste planeta, para colocar os 2 se enfrentando numa arena. E o Hulk simplesmente foi parar lá porque sim e pronto. Pelo menos a luta dos dois foi boa aqui. E muito menos um Ragnarok.

Thor vs Thor ragnarok

Surtur em Thor ragnarok

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.