Carregando...
curiosidade

O preconceito racial e a abordagem policial na série do Falcão

Sobre a série Falcão e Soldado Invernal –

Imaginem a cena, você está caminhando na rua com seu amigo e, no calor do momento, os dois começam a ter uma conversa mais acalorada. Nesse momento, um carro da polícia aborda vocês e dois policiais saltam do carro e um deles olha para você e diz: ele está te incomodando? Então você percebe que você e os policiais são brancos e seu amigo é o único negro envolvido naquela situação. Assim, automaticamente foi considerado pelos policiais uma ameaça. O que fez eles olharem pra você e não para ele, e perguntarem:

Você está bem?
Como se dissessem, nas entre linhas: esse negro está lhe causando algum transtorno?

Pois bem, essa cena ganhou grande destaque no segundo episódio da série da Netflix Falcão e o Soldado Invernal, e ressalta, em crítica, algumas das ocorrências mais comuns vividas pelos negros nos EUA.

A série foi lançada no ano de 2021 e coloca em evidência questões pulsantes referentes ao cenário estadunidense desse período.

Como exemplo, temos a morte de George Floyd, segurança negro morto por asfixia em uma violenta e desmedida abordagem policial. Por conta de uma suposta tentativa de Floyd em utilizar uma nota falsa em uma simples compra numa mercado. Certamente que uso da extrema violência policial contra Floyd ganhou maior destaque. A saber que os agentes policiais envolvidos serem todos brancos e trouxe a tona questões referentes ao preconceito estrutural. Manifesto na maneira com que a abordagem policial se deu, o que ocasionou a morte de uma pessoa.

A morte de Floyd destaca o preconceito enraizado que considera o negro, sempre uma ameaça em potencial. Que enxerga na tonalidade distinta da pele, alguém que deve ser observado pois simboliza a possibilidade do crime e da violência, o que leva o preconceituoso a ter uma ação preventiva, isto é, olhar para o negro e agir antes, prender antes, inutilizar antes e inclusive matar antes.

Na cena, o policial que aborda o Falcão e o Soldado Invernal aparenta assumir exatamente essa mesma conduta. Como que buscando proteger Bucky, o rapaz branco, da possível ameaça representada por Sam, o homem negro. Tudo isso antes de buscar entender a situação. A cena avança quando o policial pede a documentação do Sam. E ainda fica o instigando a cumprir sua demanda, na medida em que seu tratamento com Bucky é bem mais brando e menos violento.

Tudo muda apenas quando os policiais percebem que estão abordando dois heróis e quase que de imediato, a conduta se torna mais amigável e tudo encerra em um irônico e indigesto mal entendido.

Ainda que a série tenha como história principal a luta contra o terrorismo e a ascensão do Falcão como o novo Capitão América, o tema do preconceito racial ganha destaque. Na medida em que o futuro Capitão América, e estamos falando de Sam Wilson, o Falcão, acabaria por representar uma nação onde o preconceito se encontraria ainda enraizado. Bem como atuante, inclusive contra ele, o levando a questionar se ele deveria, de fato, carregar o escuda dessa nação. Que infelizmente, na ação de alguns, ainda o veem como uma constante ameaça, pelo simples fato de ser um negro.

Artur Rodrigo Itaqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.