Loading...
Sem categoria

Sarajevo

      O jornalista e quadrinista Joe Sacco, autor de Palestina: Uma nação ocupada,retorna para escrever agora sobre o conflito na Bósnia, mais especificamente sobre o Cerco de Sarajevo.
A Guerra da Bósnia foi um conflito armado que ocorreu entre abril de 1992 e dezembro de 1995 na região da Bósnia e Herzegovina, resultado de uma complexa combinação de fatores envolvendo questões políticas e religiosas. As proporções de um conflito que envolvia as consequências do fim da Guerra Fria, misturadas com fervores nacionalistas, resultaram no envolvimento de mais países, caso de Croácia e Sérvia e Montenegro. Estabeleceu-se uma discussão em torno da razão de ser do conflito, se seria uma guerra civil ou uma guerra de agressão.
Após a Bósnia e Herzegovina fazer sua declaração de independência da República Socialista Federativa da Iugoslávia, os sérvios, cujo objetivo estratégico era criar um novo Estado sérvio da República Srpska, o qual incluiria parte do território da Bósnia e Herzegovina, cercaram Sarajevo com uma força de cerca de 18.000 homens. Baseados nas colinas circundantes, assaltaram a cidade com armamento pesado, que incluía artilharia, morteiros, tanques, canhões antiaéreos, metralhadoras pesadas, lançadores múltiplos de foguetes, mísseis lançados de aeronaves e rifles sniper. Em 2 de maio de 1992, os sérvios bloquearam a cidade. As forças de defesa do governo bósnio, que estavam muito mal equipadas, foram incapazes de romper o cerco.
A história da HQ é simples, tem um aspecto mais de documentário. É dividida em duas partes, uma das quais se passa no final da guerra e na qual o autor tem a companhia de um antigo combatente para servir como guia, entrelaçando a narrativa com flashbacks do soldado.
A HQ explora bastante o cotidiano de Sarajevo no período, a partir da figura do guerrilheiro, com ele mostrando todas as artimanhas para sobreviver e viver. Há diversão e ação e, de tempos em tempos, o relato de suas histórias; tanto que, em dado momento, ficamos na dúvida sobre o que seria a realidade e o que seriam apenas histórias de pescador (ou de soldado). Mas podemos ter uma ideia muito boa de como era viver (ou visitar) a região naquela época.
O traço lembra um pouco Robert Crumb. A composição é simples, com o fundo preto para sinalizar os flashbacks e o fundo normal para sinalizar a história mais atual. Quase não são usados balões de fala, usando-se uns que se assemelham a papéis de lembretes. A intercalação entre os balões de narrativa e os de fala lembra um documentário.
Uma ótima opção de leitura para quem tem interesse em eventos históricos modernos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.