Loading...
Sem categoria

Alan Moore

Alan Moore nasceu em 18 de Novembro de 1953, em Northampton, Inglaterra. Sua infância e adolescência foram conturbadas, devido à influência da pobreza do seu meio social e familiar. Quando jovem, foi expulso de uma escola conservadora e tal motivo fazia com que outras escolas não o aceitassem. Com 18 anos, estava desempregado e sem nenhuma formação profissional. Começou, porém, a trabalhar na revista Embryo, um projeto elaborado junto com amigos. O seu convívio na área fez com que se envolvesse com o Laboratório de Artes de Northampton. Lá, conheceu Phyllis com quem se casaria em 1974. Teve duas filhas com ela: Leah e Amber.
Alan trabalhou em 1979 para a revista musical Sounds. Como cartunista, escreveu e desenhou uma história de detetive chamada Roscoe Moscou, utilizando o pseudônimo “Curt Vile”. Avaliando seus trabalhos, Moore concluiu que não era um bom ilustrador, o que o fez centrar seu trabalho em escrever histórias. Suas primeiras contribuições de ficção foram para o Doctor Who Weekly e o famoso título 2000 AD, onde elaborou várias séries populares como: D.R. & QuinchA Balada de Halo Jones e SKIZZ. Em seguida, Alan trabalhou para revista britânica Warrior. Nela começou a escrever duas importantes séries em quadrinhos: V de Vigança, um conto sobre a luta pela dignidade e liberdade numa Inglaterra dominada pelo facismo; e Marvelman, conhecido nos Estados Unidos como Miracleman. Ambas as séries conferiram a Moore o título de melhor escritor de quadrinhos em 1982 e 1983 pela British Eagle Awards.
Para a DC Comics escreveu as histórias de conteúdo ecológico com Monstro do Pântano, ficando conhecido no mercado americano. Nessa sequência de histórias introduziu a personagem Jonh Constatine, que posteriormente teria sua própria revista, Hellblazer.

Um dos grandes trabalhos do britânico ocorreu no ano de 1985, onde a DC o propôs uma série com as personagens clássicas recém adquiridas da extinta Editora Charlton. Em poucas semanas, Moore apresentou apresentou ao editor Dick Giordano um esboço do enredo intitulado, provisoriamente, Watchmen (“Vigilantes”), propondo uma parceria com o desenhista David GibbonsWatchmen expõe ao leitor uma galeria bizarra e demasiadamente humana de combatentes do crime, em sua maioria detentores de distúrbios mentais e sexuais, solitários, confusos e aterrorizados quanto à impotência de suas ações frente ao iminente holocausto nuclear. Moore caracteriza suas personagens de forma tão realista e implacável que é praticamente impossível, após a conclusão da série, levar o conceito de “Super-Herois” novamente a sério. A série ganhou vários prêmios Eisner  e o mais cultuado prêmio de ficção científica da época, Hugo, até então limitado exclusivamente à literatura. Ao abordar temas habitualmente alheios ao terreno das HQ’s (metalinguagem, matemática fractal, teoria do caos, ultra realismo, inúmeras referências literárias e musicais), Moore expandiu os limites da mídia a confins inimagináveis anteriormente, abrindo precedente para os méritos e aberrações ocorridos nos quadrinhos nas décadas seguintes.
Mesmo Watchmen ter sido o grande trabalho de Moore, não podemos deixar de destacar outros clássicos, como: As Aventuras da Liga Extrordinária, Top 10 e Promethea.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.